Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



(Português/Portuguese)

Acabámos o domingo rendidos a hábitos que nos afastam de passeios a dois, de pequenas conversas abertas e sentimentais, de corridas por entre as árvores, de fotografias desfocadas mas cheias de emoção à beira mar. Enfim, brincadeiras adultas a que dois corpos se resignam a viver apenas na sua memória. Talvez por isso, a cada segundo nos afastamos do nós. Afinal, se grandes impérios já caíram por imperadores que davam tudo como garantido, porque é que o nosso pequeno castelo também não pode ser derrubado?

Mas .... nem tudo está perdido! À segunda tentativa temos tudo para dar certo se realmente formos capazes de ver profundamente o que está ao nosso lado, seja que tipo de relação for, mas não  a termos como garantida. Será essa a magia que Sage (Ambroise Willaume) consegue trazer numa das mais bonitas bandas sonoras francesas dos nossos anos 20, do filme Mon Inconnue (2019) de Hugo Gélin, com aquele casalinho apaixonado protagonizado por François Civil e Joséphine Japy.

Começamos esta viagem com dois temas vocalizados, tal como iniciamos cada uma das nossas relações, porque já temos conhecimento do mundo, mas depois percorremos caminhos que só nós próprios podemos trilhar, descobrir; histórias que só nós podemos escrever, colocar cada palavra, uma a seguir à outra até termos frases claras ou inacabadas. É assim, que continuamos com melodias em  piano, num total de 12 faixas que nos vão querer dar aquela segunda oportunidade .... Afinal, só podemos aprender com os nossos erros, não é verdade?

O filme, esse, vale bem a pena .... mas é já um capítulo escrito que não é nosso. Aqui, roubamos a banda sonora e, depois de gravarmos a nossa segunda paixão, temos todo o tempo do mundo para a comparar com histórias em que Paris é tão romântico como aquela pequena rua que conduz à beira-rio numa qualquer cidade do norte de Portugal numa primavera.

(English/Inglês)

We ended Sunday surrendered to habits that take us away from walks together, short open and sentimental conversations, running under the trees, unfocused photographs, but full of emotions by the sea. Finally, adult games to which two bodies are resigned to living only in their memory. Perhaps that is why, every second we move away from the word us. After all, if great empires have already fallen by emperors who took everything for granted, why can't our little castle be overthrown as well?

But not everything is lost! On the second, try we have everything to work out if we are really able to see deeply who is on our side, whatever type of relationship it is, but we do not take it for granted. That will be the magic that Sage (Ambroise Willaume) manages to bring in one of the most beautiful French soundtracks of our 1920s, from the movie Mon Inconnue (2019) by Hugo Gélin, with that passionate couple starring François Civil and Joséphine Japy.

We start this trip with two vocalized tracks, just like we start each of our relationships, because we already have knowledge of the world, but then we go on paths that only we can walk, discover; stories that only we can write, put each word, one after the other until we have clear or unfinished sentences. It is like this, that we continue with melodies on piano, in a total of 12 tracks that will want to give us that second chance .... After all, we can only learn from our mistakes, right?

The film, that one, is well worth watching .... but it is already a written chapter that is not ours. Here, we steal the soundtrack and, after recording our second passion, we have all the time in the world to compare it with stories in which Paris is as romantic as that small street that leads to the riverside in any city in the north of Portugal in Spring.

Autoria e outros dados (tags, etc)

published at 17:31

Alphawezen

Português/Portuguese
Os dias estão num misto de cinzento e azul claro, recortados por raios de sol amarelos e quentes que alegram a vista, tornam os dias mais suportáveis e, sem sombra de dúvida, cheios de esperança.

Alphawezen, banda alemã composta por Asu Yalcindag e Ernst Wawra, trazem esta luz com Gai Soleil, retirado do álbum L'après-midi d'un Microphone (reeditado em 2017 em streaming com uma completa listagem de remisturas). Luz essa cheia de sensualidade, de questões ininterruptas. Vagueamos mentalmente pelas praias que nos satisfazem no verão, tal como fizemos durante as paixões arrebatadoras que fomos tendo ao longo dos anos (ou dias ... não interessa; o tempo é uma mera invenção humana) e nos faziam crescer enquanto acreditávamos que nos estavam a destruir quando terminavam.  Tal como o mar, recolhemos para reflectir e observamos cada bocadinho do nosso ser para, depois, voltarmos com toda a força chegando a criar marés vivas, ondas gigantes, remoinhos de coisas boas ou más, mas que não são mais do que momentos de aprendizagem.

Gai Soleil, nesta edição, tem duas remisturas de Terry lee Brown Junior que nos fazem levantar o pé e começar a dançar pelas areias ainda frias da Primavera. Vão criar um momento em que o nosso eu se encontra com o seu mar interior, vai fazer reflectir sobre cada momento que temos ou tivemos a dois mas, acima de tudo .... vai trazer um grande raio de sol na nossa vida que se vai encontrar com novos desafios quando bater, suavemente, numa nova costa de areias brancas.

 

Inglês/English

The days are in a mix of gray and light blue, cut out by hot and sought after rays of light that brighten the view, make the days more bearable and, without a doubt, full of hope.

Alphawezen, a German band composed of Asu Yalcindag and Ernst Wawra, bring this light with Gai Soleil, taken from the album L'après-midi d'un Microphone (reissued in 2017 in streaming with a complete list of remixes). This light is full of sensuality, of uninterrupted questions. We wander mentally along the beaches that satisfy us in the summer, just as we did during the overwhelming passions that we have had over the years (or days ... it doesn't matter; time is a mere human invention) and made us grow while we believed they were there to destroy us when they finished. Like the sea, we gather to reflect and observe every little bit of our being so that, afterwards, we return with all our strength, creating lively tides, giant waves, swirls of good or bad things, but which are nothing more than moments of learning. 

Gai Soleil, in this edition, has two remixes by Terry Lee Brown Junior that make us lift our feet and start dancing through the cold sands of Spring. They will create a moment in which we meet our inner seas, it will make us reflect on every moment we have or had as a couple but, above all ... it will bring a great ray of sunshine in our life and encounter new challenges when it hits a new shore of white sands.

Dis-moi, gai soleil
Pourquoi cet eternel va-et-vient?
Encore une larme sur tes rivages
Car du font des mes abimes
Je rêve d'une calme fontaine
Claire, faible et apaisante
Dis-moi, gai soleil
Pourquoi cet eternel va-et-vient?

Autoria e outros dados (tags, etc)

published at 19:14

note

(Português)
Devido à nova imagem do blog, todos os posts anteriores a 2017 podem surgir com formatação diferente. Um novo ano, uma nova vida, nova música, nova imagem!

(English)
Due to the new image, all posts prior to 2017 may come up with a different format. A new year, a new life, new music and new image!



@bout me

foto do autor


text me

back to music & Spotify

Subscreve/Subscribe Playlist

Back to Music,Love & Lifestyle on Spotify!




Blogs Portugal

Thank You's

 

Sapo Destaques - 27.04.17

Sapo Destaques - 16.04.17

 

 




Tradutor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds