Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



(Português/Portuguese)

Acabámos o domingo rendidos a hábitos que nos afastam de passeios a dois, de pequenas conversas abertas e sentimentais, de corridas por entre as árvores, de fotografias desfocadas mas cheias de emoção à beira mar. Enfim, brincadeiras adultas a que dois corpos se resignam a viver apenas na sua memória. Talvez por isso, a cada segundo nos afastamos do nós. Afinal, se grandes impérios já caíram por imperadores que davam tudo como garantido, porque é que o nosso pequeno castelo também não pode ser derrubado?

Mas .... nem tudo está perdido! À segunda tentativa temos tudo para dar certo se realmente formos capazes de ver profundamente o que está ao nosso lado, seja que tipo de relação for, mas não  a termos como garantida. Será essa a magia que Sage (Ambroise Willaume) consegue trazer numa das mais bonitas bandas sonoras francesas dos nossos anos 20, do filme Mon Inconnue (2019) de Hugo Gélin, com aquele casalinho apaixonado protagonizado por François Civil e Joséphine Japy.

Começamos esta viagem com dois temas vocalizados, tal como iniciamos cada uma das nossas relações, porque já temos conhecimento do mundo, mas depois percorremos caminhos que só nós próprios podemos trilhar, descobrir; histórias que só nós podemos escrever, colocar cada palavra, uma a seguir à outra até termos frases claras ou inacabadas. É assim, que continuamos com melodias em  piano, num total de 12 faixas que nos vão querer dar aquela segunda oportunidade .... Afinal, só podemos aprender com os nossos erros, não é verdade?

O filme, esse, vale bem a pena .... mas é já um capítulo escrito que não é nosso. Aqui, roubamos a banda sonora e, depois de gravarmos a nossa segunda paixão, temos todo o tempo do mundo para a comparar com histórias em que Paris é tão romântico como aquela pequena rua que conduz à beira-rio numa qualquer cidade do norte de Portugal numa primavera.

(English/Inglês)

We ended Sunday surrendered to habits that take us away from walks together, short open and sentimental conversations, running under the trees, unfocused photographs, but full of emotions by the sea. Finally, adult games to which two bodies are resigned to living only in their memory. Perhaps that is why, every second we move away from the word us. After all, if great empires have already fallen by emperors who took everything for granted, why can't our little castle be overthrown as well?

But not everything is lost! On the second, try we have everything to work out if we are really able to see deeply who is on our side, whatever type of relationship it is, but we do not take it for granted. That will be the magic that Sage (Ambroise Willaume) manages to bring in one of the most beautiful French soundtracks of our 1920s, from the movie Mon Inconnue (2019) by Hugo Gélin, with that passionate couple starring François Civil and Joséphine Japy.

We start this trip with two vocalized tracks, just like we start each of our relationships, because we already have knowledge of the world, but then we go on paths that only we can walk, discover; stories that only we can write, put each word, one after the other until we have clear or unfinished sentences. It is like this, that we continue with melodies on piano, in a total of 12 tracks that will want to give us that second chance .... After all, we can only learn from our mistakes, right?

The film, that one, is well worth watching .... but it is already a written chapter that is not ours. Here, we steal the soundtrack and, after recording our second passion, we have all the time in the world to compare it with stories in which Paris is as romantic as that small street that leads to the riverside in any city in the north of Portugal in Spring.

Autoria e outros dados (tags, etc)

published at 17:31

Frühling ... primavera melancólica!

by perplex3r, em 22.03.21

2raumwohnung

Português/Portuguese

Este T2 (significado de 2Raumwohnung) abre as suas janelas para deixar entrar o sol ainda frio das primeiras manhãs de primavera, aquecendo a alma com a mistura de instrumentos clássicos e de melodias bossa nova no álbum Melancolish Schön

Bossa nova em alemão? Sim. Derrubamos preconceitos sobre uma língua que deixa de ser sentida como áspera, fria e distante, que traz uma alegria melancólica da primavera que ainda mal começou, tal como devemos fazer todos os dias. As nossas relações começam pela manhã, e podemos não entender totalmente o outro, as suas atitudes ou, até mesmo o seu olhar, mas se escutarmos atentamente, podemos sentir o que nos está a dizer, até sem palavras.

Assim, mesmo para quem não compreende a língua das declinações, das palavras longas e de letras maiúsculas no meio da frase, Wir trafen uns in einem Garten transporta qualquer um para aquele banco de jardim, em que estamos com um sorriso e uma leve brisa nos cabelos e não conseguimos explicar porque estamos apaixonados. Spiel Mit, diz-nos isso mesmo, basta um olhar para lermos a mente um do outro e, sabermos, o quanto nos queremos tocar e aproximar, debaixo da árvore desse jardim. Quantas sensações este álbum acústico desta banda electrónica consegue trazer, apesar de editado em 2005, tudo pela doçura vocal de Inge Humpe e instrumentalizado por Tommi Eckard. Poético!

O álbum termina a viagem com Liebe (Amor), o cupido que a Primavera traz para ver se, será desta, depois de um confinamento físico e mental, nos deixamos todos, gradualmente, apaixonar uns pelos outros, mesmo quando a nossa língua não tem os mesmos termos, a nossa cor é diferente e, os nossos  projectos não se cruzam.

Happy Spring!

 

English/Inglês

This 2 bedroom apartment (meaning of 2Raumwohnung) opens its windows to let in the still cold sun of the first spring mornings, warming your soul with the a mixture of classic instruments and bossa nova melodies on the album Melancolish Schön.

Bossa nova in German? Yes. We break down prejudices about a language that is no longer felt as harsh, cold and distant, that brings a melancholy joy of spring that has barely begun, just as we must do every day. Our relationships start in the morning, and we may not fully understand the other person, his attitudes or even his gaze, but if we listen carefully, we can feel what he is saying, even without words.

So, even for those who do not understand the language of declensions, long words and capital letters in the middle of the sentences, Wir trafen uns in einem Garten transports anyone to that garden bench, where we are with a smile and a light breeze through the  hair and we can’t explain why we’re in love. Spiel Mit, tell us that, just one look is enough to read each other's minds and knowing how much we want to touch each other and get closer, under a tree of that garden. How many sensations this acoustic album by this electronic band can bring, despite being released in 2005, all due to the vocal sweetness of Inge Humpe and instrumentalized by Tommi Eckard. Poetic!

The album ends the trip with Liebe (Love), the cupid that Spring brings to see if, after this physical and mental confinement, it will be like this, we gradually let ourselves fall in love with each other, even when our language doesn't have the same terms, our color is different and our projects do not intersect.

Happy Spring!

Autoria e outros dados (tags, etc)

published at 18:24

sem trânsito até à la maison du Gabin!

by perplex3r, em 01.03.21

Português/Portuguese

As segundas-feiras, mesmo sem o tráfego aborrecido, correrias para os últimos autocarros e as longas esperas pelos comboios suburbanos atrasados continuam, virtualmente, a serem esgotantes quando queremos viajar para o conforto do nosso lar.

La Maison de Gabin, que associa o clássico piano com bossa nova conduz, mesmo sem uma voz que nos direccione, para um momento relaxante pós dia de trabalho. Vamos fazer aquela viagem de regresso, cansados, ligeiramente tristes, mas sabemos que aquele jantar a dois vai deliciar a nossa alma e, se não for caso disso, o nosso sofá vai fazer com que não nos sintamos sozinhos em frente uma imagem pixelizada de um serviço de streaming qualquer. É isso que o primeiro álbum desta banda italiana, composta por Filippo Clary e Max Bottini, nos consegue fazer sentir, mesmo depois de melodias repletas de sons com influências jazz e vocais que recorrem a histórias de Gypsy Kings, a damas fumadoras de film noir e de música electrónica do início do século XXI, com letras em inglês, espanhol e francês. 

Doo Uap, Doo Uap, Doo Uap (nº3 em Itália) é o single para a sexta-feira mas, como iniciámos a semana, ficamo-nos com La Maison, para percorrermos o quartos que ficaram fechados durante o dia, os corredores que estavam escuros e que, agora, com a noite, estão cheios de luz. Podemos ainda, de forma subtil, após abrirmos o relaxante vinho tinto, viajar por mil e uma histórias de amor adormecidas com Une Histoire D'Amour  ou Mille et Une Nui Des Desires, que nos relembra dos percursos para casa, em tempos de estudante, após termos aberto o nosso coração por entre o escuro frio, debaixo de um candeeiro sem cor de rua meio apagado, num dia cincento, ao dizermos:

- Je t'aime!

English/ Inglês

Mondays, even without the boring traffic, the run for the last buses and the long waits for the delayed trains, they continue to be virtually exhausting when we want to travel to the comfort of our home.

La Maison de Gabin, which combines the classic piano with bossa nova, leads, even without a voice to direct us, to a relaxing moment after work. We are going to make that return trip, tired, slightly sad, but we know that dinner for two will delight our soul and, if not, our sofa will make us not feel alone in front of a pixelated image of a any streaming service. This is what the first album of this Italian band, composed by Filippo Clary and Max Bottini, can make us feel, even after melodies full of sounds with jazz influences and vocals that resort to the stories of Gypsy Kings, smoking film noir actresses and electronic music from the beginning of the 21st century, with lyrics in English, Spanish and French.

Doo Uap, Doo Uap, Doo Uap (No. 3 in Italy) is the single for Friday but, as we started the week, we get stuck with La Maison, to go through the rooms that were closed during the day, the corridors that were dark and, now are full of light at night. We can also, in a subtle way, after opening the relaxing red wine, travel One Thousand and One Nights  with Une Histoire D'Amour or Mille et Une Nui Des Desires, which reminds us of the journeys home, in student times, after we opened our hearts through the cold darkness, under a dimly lit street lamp, on a gray day, when we said:

- Je t'aime!

Autoria e outros dados (tags, etc)

published at 20:12

The Cardigans - Long Gone Before Daylight (Original Pictures)

Português/Portuguese

Pelas ruas meia desertas,com algum frio à mistura e uma boa dose de optimismo, caminhamos para casa com The CardigansLong Gone Before Daylight reeditado num saco bem protegido (uma daquelas compras impulsivas que fazem todo o sentido). Não queremos que um dos melhores álbuns de sempre não conheça a alegria de ser tocado pela agulha do gira-discos.

Long Gone Before Daylight (o platinado nº1 na Suécia) chegou aqui a casa cheio de  memórias de histórias terminadas, inacabadas e outras que não passaram apenas de imaginação. Ao olharmos directamente para a capa, sentimos que estamos rodeados de amigos no aconchego de uma noite de conversas filosóficas e de opiniões bem vincadas, no Museu d'Avó, por entre a penumbra das velas, das tapas e copos de vinho tinto que não param de chegar à mesa debaixo de um candelabro.

Communication abre a discussão, logo após o líquido ter deslizado para dentro de um copo, e, em 2021 tal como em 2003, continua a fornecer inúmeras questões sobre o que significa estar em comunicação com outro. Por entre ligações reais e virtuais, em que estamos com a função ocupado ou ausente, ligamos e desligamos as nossas ligações e queremos ter a certeza que não perdemos tempo em época de ligações rápidas. Mas, se pensarmos bem, podemos não ter aprendido a esperar, tal como quando ligávamos o nosso modem de 56Kb, perdíamos a ligação e tentávamos, incessantemente, voltar a comunicar.

O segundo copo de vinho, vem trazer as metáforas bélicas que o Amor é perito em usar. Em You're The Storm somos um país que busca ser conquistado, que procura ser feliz mas cuja a sua história é feita de longas e tortuosas guerras. Apesar disso, acreditamos que é essa história que leva à conquista de fronteiras que se esbatem quando nos apaixonamos, formando um único, não perfeito, mas feliz, território.

Com uma edição dupla em vinil de 180 gramas, abrimos a segunda garrafa para colocarmos o segundo disco após termos observado as fotos do quinteto em grande formato. A seguir a um breve silêncio, For What It's Worth irresistivelmente remete-nos para uma manhã primaveril, sentimos uma esperança sem fundamento, mas que nos faz sorrir.  Terminamos com 03:45 No sleep e na terceira garrafa, sem que a conversa a dois tenha perdido sentido. Parece que, apesar de todas estas distrações, conseguimos comunicar melhor que nunca.

Long Gone Before Daylight vai perdurar, pela noite dentro ... com a mensagem do 4º álbum destes suecos simpáticos, que nos trouxeram, ao longo de vários anos, hits pop em filmes dramáticos, como Lovefool, conduções loucas em My Favourite Game e colaborações únicas como Burning Down the House com Tom Jones, e que já falámos num tempo em que este blog era ainda uma criança (lembras-te?).

Inglês / English

Through the half-deserted streets, with some cold mixed with a good dose of optimism, we walk home with The Cardigans and Long Gone Before Daylight reissued in a well-protected bag (one of those impulsive purchases that make perfect sense). We don't want one of the best albums ever to experience the joy of being touched by the turntable's needle.

Long Gone Before Daylight (the platinum No. 1 in Sweden) arrived here full of memories of finished, unfinished stories and others that were  just imagination. As we look directly at the cover, we feel that we are surrounded by friends in the warmth of a night of philosophical conversations and well-defined opinions, at Museu d'Avó, amidst the dim light of candles, tapas and glasses of red wine that never stop coming to the table under a chandelier.

Communication opens the discussion, right after the liquid has slipped into a glass, and in 2021 as in 2003, it continues to provide numerous questions about what it means to be in communication with another person. Between real and virtual calls, in which we are busy or absent, we connect and disconnect our calls and we want to make sure that we don't waste time in times of fast connections. But, if we think about it, we may not have learned how to wait, such as when we used to connected our 56Kb modem, we lost the connection and tried, incessantly, to communicate again.

The second glass of wine brings the warlike metaphors that Love is used to. In You're The Storm we are a country that seeks to be conquered, that seeks to be happy but whose history is made up of long and tortuous wars. Despite this, we believe that it is this story that leads to the conquest of borders that become blurred when we fall in love, forming a unique, not perfect, but happy, territory.

With a double edition on 180 gram vinyl, we open the second bottle to place the second disc after having seen the pictures of the quintet in large format. Following a brief silence, For What It's Worth irresistibly reminds us of a spring morning, we feel a hopeless hope, but one that makes us smile. We ended with 3:45 am No sleep and the third bottle, without the conversation between the two having lost any meaning. It seems that, despite all these distractions, we can communicate better than ever.

Long Gone Before Daylight will continue, into the night ... with the message of the 4th album of these nice Swedes, who brought us, over several years, pop hits in dramatic films such as Lovefool, crazy driving in My Favorite Game and collaborations as Burning Down the House with Tom Jones, and we talked about in a time when this blog was still a child (remember?).

Dedicado a / Dedicated to: Diana, my friend and reader, ich wünsche dir das Beste!

Autoria e outros dados (tags, etc)

published at 18:46

Foundations: amor e(m) confinamento ..

by perplex3r, em 24.02.21

You said I must eat so many lemons,
'cause I am so bitter.
I said "i'd rather be with your friends mate,
'cause they are much fitter"

Português/Portuguese

Foundations de Kate Nash nunca fez tanto sentido como agora...nem quando estávamos apaixonados durante aquela idade da inocência ou, até mesmo, durante os nossos famosos twenties em que,para nós, o mundo era uma infindável lista de possibilidades, que se foram desvanecendo com o tempo.

Estamos, agora, naquele momento em que o nosso amor foi encontrado e, com o qual, temos que partilhar todas aquelas coisas fofas que, no início, achávamos que seriam tão características e que não as trocávamos por nada ... até hoje! Podemos dizer, amo-te tal como és, porque te vejo ao fim do dia e a saudade fica mais apertada; mas agora, gostávamos de dizer amo-te tal como és, mas se mudares esta coisinha pequenina, vou gostar ainda mais. Exemplos? Que tal lavares a loiça? Parares de comer e fazeres migalhas quando estou em vídeo chamada ou, se calhar, parares de ouvir essa música de uma vez por todas? Estamos a entrar num colapso em que o amor e uma cabana pode não chegar, em que vamos buscar aquelas ironias infantis que, maldosamente, nos podem trazer por breves momentos durante a semana, alguma a alegria/tristeza.

Este single, que chegou ao Top 10 do Reino Unido, num ano particularmente especial na música (2007), entre cantores conhecidos pelo MySpace e Youtube e alguns mp3 espalhados pelos programas peer to peer nos fazia pensar se os nossos corações estavam destinados ao que tínhamos ao lado. Ainda, trouxe à tona aqueles sentimentos de revolta e de vergonha, com um travo de ironia em atos impensáveis. Uns anos volvidos, Kate Nash traz, docemente, a questão se podemos ou não esquecer os detalhes de que a vida são feitos. Será por isso que este álbum se chamou Made of Bricks (UK nº1)? Talvez ...

O que é certo é que esta casa, hoje, foi construída a dois e não pode, de alguma maneira, ser derrubada por aquela vontade de te deixar na sala com a janela aberta para aprenderes a não beber tanto Casal Garcia a uma quarta-feira. Ou então, não teres um jantar pronto a horas simplesmente porque te apeteceu estar a ver mais um episódio daquela série absurda na Netflix sobre sexo que não podemos ter, já que temos muita gente à nossa volta.

Afinal, a semana está a meio e, na sexta-feira, vamos esquecer estes pormenores ridículos e lembrar o quanto este amor nos faz feliz (mesmo sem ter levantado a tampa da sanita durante 4 dias ou ter sujado o chão com toda aquela comida vegetariana que decidimos fazer depois de ver um programa no 24 Hour Kitchen).

This ... is what love is all about!

English/Inglês

Kate Nash's Foundations has never made more sense than now ... not even when dating during that age of innocence or even during our famous twenties when, for us, the world was an endless list of possibilities, gone fading over time.

We are now in that moment when our love was found and, with whom we have to share all those cute things that, in the beginning, we thought would be so characteristic and that we would not exchange them for anything ... until today! We can say, I love you the way you are, because I see you at the end of the day and the longing gets tighter; but now, we would like to say I love you the way you are, but if you change this little thing, I will like you even more. Examples? How about washing the dishes? Stop eating and making crumbs when I'm on a video call, or maybe stop listening to that song once and for all? We are entering a collapse in which love and a hut may not be enough, in which we seek those childish ironies that, maliciously, can give us some joy / sadness for brief moments during the week.

This single, which reached the UK's Top 10, in a particularly special year in music (2007), among singers known for MySpace and Youtube and a few mp3s spread across peer to peer programs made us wonder if our hearts were destined for what we had next to us. Still, it brought up those feelings of revolt and shame, with a touch of irony in unthinkable acts. A few years later, Kate Nash sweetly raises the question of whether or not we can forget the details of what life is made of. Is that why this album was called Made of Bricks (UK # 1)? Maybe ...

What is certain is that this house, today, was built by two and cannot, in some way, be overthrown by that desire to leave you in the room with the window open for you to learn the lesson of not to drink so much Casal Garcia on a Wednesday.  Or, not having a dinner ready on time simply because you felt like watching another episode of that absurd series on Netflix about sex that we can't have, since we have a lot of people around us.

After all, the week is almost over and, on Friday, we will forget these ridiculous details and remember how happy this love by our side makes us (even without having lifted the toilet lid for 4 days or having soiled the floor with all that vegetarian food you decided to make after watching a program on  24 Hour Kitchen).

This ... is what love is all about!

Autoria e outros dados (tags, etc)

published at 20:41

note

(Português)
Devido à nova imagem do blog, todos os posts anteriores a 2017 podem surgir com formatação diferente. Um novo ano, uma nova vida, nova música, nova imagem!

(English)
Due to the new image, all posts prior to 2017 may come up with a different format. A new year, a new life, new music and new image!



@bout me

foto do autor


text me

back to music & Spotify

Subscreve/Subscribe Playlist

Back to Music,Love & Lifestyle on Spotify!




Blogs Portugal

Thank You's

 

Sapo Destaques - 27.04.17

Sapo Destaques - 16.04.17

 

 




Tradutor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.